Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

9 de dez de 2008

Ao desconhecido.

Tentei começar sem rodeios.
Com palavras fáceis e o mais puro sentimento.
Juntei a boa vontade e a necessidade de colocar um juízo.
Mas o medo assolou o pensamento.
Palavras fugiram.
Idéias tiraram férias.
Mas sei que a razão da escrita (para você) nunca deixou de existir.
É por você que próximos textos virão a todo vapor.
Qualquer lacuna no dia, caderno e caneta na mão.
Quem sabe um dia você leia e perceba sem dicas alheias que todo texto bem resolvido aqui tem um único destino: o seu mais inocente e belo interesse.

Faça suas visitas, mas não esqueça em enxergar com o coração baby!

Listinha!!!


Tem tanta coisa que não resisto:

Trufa gelada de maracujá
Bolo de cenoura da minha mãe.
Coca-Cola gelada.
Mc Donald´s.
Bolsas.
Anéis.
Relógios.
Adesivos.
Cadernos.
Canetas.
Homem com barba por fazer ou barba estilo do Matisyahu.
Pão do Templo Zu Lai.
Sorvete em dias frios ou quentes.
Torta da Fezita.
Salpicão da Iraci.
Dormir no sofá.
Meia colorida.
Visita surpresa dos amigos.
Ligações da Bruna.
Risada da Fê.
Conversas com a Mari.
Maluquices da Marizinha.
Conselhos do Fabricio.
Comentários do Rogerim Cheu.
Acidez da Carina.
Vitrine.
Smiths.
Los Hermanos.
Bruno Medina.
Colocar cor nos subclipes.
Esmaltes coloridos.
Cabelo lisinho.
Homem com roupa xadrez.
Bebida nomeada por Cabelo de “Chemical Brothers”
Dormir depois das 5 da manhã.
Acordar depois das 10 da manhã.
Brincar com o felino Amandí.

Mas dentre todas essas, a mais insana é banca de jornal.

Perco a linha do bom senso e do necessário. Ficaria o dia inteiro dentro da minha preferida: lá pertinho do metrô Consolação. Não, o atendente não é um gato (na verdade nem lembro da cara dele). O bom de lá = as revistas favoritas estão sempre no mesmo lugar e ninguém fica “tentando” ajudar na escolha. E é uma banca grande onde posso entrar com minha big mochila sem destruir o ambiente.
E hoje foi aquele dia que perdi a noção.
Marie Claire, Gloss, Criativa, Super Interessante e Joyce Pascowitch e a gigante Piauí.


Amanhã é dia de colocar as idéias no mundo da lua.

CAPITU


Sou uma pessoa com um defeito quase incurável: não consigo enxergar meus acertos (raros)
Preciso de um discurso alheio para aceitar que foi bom.
Mas não me considero insegura.
Apenas com um distúrbio ou carência demasiada. (rs)

Eis que hoje eu quis muito que alguém lançasse a frase: “Que trabalho incrível você fez!”.
E esse trabalho seria nada mais, nada menos que a belíssima obra de Luiz Fernando Carvalho fez para a TV: “Capitu”. Eu queria qualquer função sem a pretensão das mais cobiçadas.

Aquele tipo de trabalho que orgulha qualquer pai e mãe. Que homem é esse que conseguiu reunir tanta qualidade e fidelidade à obra de Machado de Assis¿

Claro que TV é uma arte coletiva, e isso ele soube escolher bem (ai que vontade em ter feito parte disso).

Infelizmente não pude ver na íntegra. Garimpei pela internet e fiquei encantada com a trilha usada do Beirut.
Então fica aqui a dica: vejam os vídeos no Youtube do Beirut. Uma música mais bonita que a outra. E o material que disponibilizaram da série.


Assim começa minha quarta-feira.


Recheada de idéias.

Dias passam devagar.

Começamos o que você desconhece.
Aquilo que me encanta.
Você não percebe que nos pequenos gestos encontro coisas boas.
Tão bom ficar perto de você.
Mas agora é hora de arrumar as malas e caminhar só.
Nossa estrada é longa.
Não sei dizer até logo ou um simples tchau.
Isso você já percebeu.
E não tem como “Remediar”.
Não se esqueça da blusa de frio e de um bom livro em sua mala.
E deixa que eu levo nosso mundo comigo.