Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

21 de ago de 2009

Muito bom.

Como diria o gringo Felipe da Avid: "Beleza pura né Carola?"

Pois é.

Graças ao Pablo e Lorena...decidi ouvir com calma essa antiga, interessante e bonita canção.

Tem um significado.

Viva Arnaldo Antunes.

"Socorro!
Não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar
Nem pra rir...

Socorro!
Alguma alma mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor, nem dor
Já não sinto nada...
Socorro!Alguém me dê um coração

Que esse já não bate nem apanha
Por favor!Uma emoção pequena, qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta...

Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva (em algum post anterior que mencionei o bonito Bruno Mazzeo escrevi essa frase lembra?)

Socorro!Alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento
Acostamento, encruzilhada
Socorro! Eu já não sinto nada...
Socorro!Não estou sentindo nada

Nem medo, nem calor, nem fogo
Nem vontade de chorar
Nem de rir...

Socorro!Alguém me dê um coração
Que esse já não bate
Nem apanha

Por favor!Uma emoção pequena qualquer coisa!
Qualquer coisa que se sinta...
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva..."

Aniversário chegando.




Domingão tá logo aí. Nunca fiz alarde por aniversário meu. Mas esse...sei lá pq deu a louca de anunciar (talvez pq eu queira a Melissa Bubbles (azul Iemanjá), a Melissa do Pequeno Príncipe (amarela) e a Melissa Vivienne Westwood Anglomania + Melissa Ultragirl IV (vermelha).

ahauahuahauhuahauhauahuaha - só um ricão generoso me daria isso.

Mas eu aceito com o mesmo sorriso e alegria um abraço ou sms seu.

Caso insista em comprar algo:

Balas de Maçã verde (desses que ganhamos de troco)
Halls de morango ou cereja
Uma latinha de Skol
Um jogo de lápis de cor (pode ser aqueles baratinhos das Lojas Americanas)
Uma lata de Sprite
Esmalte vermelho de qualquer marca.
Acetona
Chocolate batom


Bem...não estarei comemorando em lugar algum (apenas pretendo dormir).

Mas...terça (dia 25 de agosto) tem um eventão no Studio SP.

Estarei por lá. Gostaria ver gente querida. Mas entendo que grana, frio, preguiça...desmotivam as pessoas. Mas quem sabe vc lembre de mim e bate uma euforia louca né?

Então...estarei na terça no Studio SP e na quarta no Vila do Samba. Bem....se tudo der certo com as Betas Digitais e o Centro Exibidor Master. Caso contrário...sambarei sozinha em alguma ilha no puxadinho do Estúdio M.


Viva Portela. Salve Portela na avenida. Tia Surica.


BEIJINHOS.

17 de ago de 2009

Ciranda da Vida

Em casa tudo foi sempre assim.
Sempre muita gente.
Hoje os tempos são outros.
As crianças que lotavam o quintal...cresceram.
Os adultos fizeram novos amigos e prioridades mudaram.
Alguns permaneceram. Nisso nada mudou.

Lembro dos meus 9 anos e festas nos finais de semana (amigos dos meus pais).
Lembro do som (Chico Buarque, Paul Simon, Dire Straits, Beth Carvalho...),
Lembro do cheiro (pão caseiro que meu pai fazia, cheiro de café, cerveja, churrasco...)
Lembro quando precisei ficar fora de SP por 2 anos.
Tinha 7 anos.
Não fazia idéia pq ter q ficar longe dos meus irmãos, dos meus bichos e dos meus brinquedos.
Lembro dela falando:
- Lá as crianças não têm tantos brinquedos. Leve apenas alguns. Um dia você vai entender.

Cheguei lá e realmente um mundo novo surgiu.
Sotaque, comida, música, pessoas e comportamento.
Foi lá que aprendi a andar descalça (e ter trauma com isso).
Aprendi a respeitar outra religião que até então tinha medo.
Brincava de boneca com uma menina chamada Carina.
Ela era loira, magra, com muitas Barbies. Os pais dela não a deixavam sair. Então, eu brincava do lado de fora do portão. Eu tinha uma imitação falsa da Barbie e dizia que tinha muitas (originais) na minha verdadeira casa, mas ela não acreditava.
Lembro que as tardes eram longas com ela. Eu falava dos meus brinquedos, do meu quarto, dos meus bichos...mas creio que ela não acreditasse em mim. Afinal, eu tinha uma única boneca e ainda por cima: falsa.

Lembro que tomava refrigerante no saquinho plástico e canudo.


Senti pela primeira vez a dor da perda de pessoas importantes e como o amor é algo admirável.
Minha vó faleceu quando eu tinha 7 anos. Foi por isso que saí de SP. Para minha mãe ajudá-la nos últimos momentos. Alguns meses depois, meu avô não agüentou a solidão e partiu. Foi aí que descobri o amor a dois.

Como alguém pode deixar de viver dessa forma?

Demorei muitos e muitos anos para entender essa escolha do meu avô.

Apesar dos 2 anos, os conheci muito pouco. Mas lembro das manias dele. Quando começava o Jornal Nacional não podia fazer barulho. Lembro do seu chinelo. Lembro da sua cadeira. Dela lembro mais. Minha avó era doce e quieta. Uma voz quase inaudível. Quando vejo a atriz Laura Cardoso não consigo evitar as comparações.

Só lembrei-me disso hoje quando abri um pacote de bolacha. Antes de viajar, tudo em casa era dividido. Se eu fosse abrir uma caixa de bombom, dividia por 3 (eu, Gui e Li). Tudo era assim. Ninguém saia perdendo. Quando um não queria, dividia sua parte com os outros.

Quando me afastei deles, aprendi a comer um pacote sozinha. Mas o paradigma jamais deixou de existir. Lembrava de acordar mais cedo para tomar banho, para dar tempo de todo mundo tomar e não se atrasar.

Isso é resultado da educação que tivemos. Não pensar como único ser.
E ao abrir o pacote de bolacha (saindo do trabalho), não tinha ninguém na rua para dividir.

Bateu a lembrança de como é ruim não ter ninguém para dividir a vida, mesmo que seja um pacote de bolacha.

Daí lembrei do meu avô que abriu mão de viver pois não tinha sua amada ao lado.

Dividir a vida é algo muito precioso. É preciso doar um pouco de si, pegar um pouco do outro, pensar antes de agir, reinventar o amor quando o conflito bobo acontece, respirar quando bate a euforia, cuidar das coisas mais simples e construir um amor que preenche, para que um dia que ele seja falta, vire saudades e se transforme em uma recordação boa.


Levo um pouco desse amor comigo. Carrego a lembrança de um amor duradouro.

As coisas boas nem sempre voltam como antes, mas se renovam a todo instante.

Monarco disse: “O dia se renova todo dia
Eu envelheço cada dia e cada mês
O mundo passa por mim todos os dias
Enquanto eu passo pelo mundo uma vez”

Mistureba boa.

Tudo que tenho escutado essa semana (músicas encantadoras):

Um pouco de Paulinho Moska:

"Meu amor
Vamos falar sobre o passado depois
Porque o futuro está esperando
Por nós dois.
Por favor
Deixe meu último pedido pra trás
E não volte pra ele nunca
Nunca mais.
Porque ao longo desses meses
Que eu estive sem você
Eu fiz de tudo pra tentar te esquecer"

...

"Porque visto as frases que você me deu
Mas elas não me servem mais
O que aconteceu com seu futuro que era o meu?
Agora não adianta mais me responder(nem venha me dizer)
Quem passou do ponto onde era longe
E de que jeito era o certo
Porque minha dor sempre se esconde
Mas nunca sai de perto
O que aconteceu com meu futuro que era o seu?"

...

"Não preciso de você pra descobrir
Que a estrada infinita que tenho que seguir
Não leva a nada"

...

"O amor que eu te tenho é um afeto tão novo
Que não deveria se chamar amor
De tão irreconhecível, tão desconhecido
Que não deveria se chamar amor
Poderia se chamar nuvem
Pois muda de formato a cada instante
Poderia se chamar tempo
Porque parece um filme que nunca assisti antes"



Herbert estava certo:

"Aonde está o que você quer
Pra me transformar no que te agrada
No que me faça ver
Quais são as cores e as coisas pra te prender"

"Será que você ainda pensa em mim?
Será que você ainda pensa?"

Não é de sua autoria, mas Caetano salva:

"Tudo de bom que você me fizer
Faz minha rima ficar mais rara
O que você faz me ajuda a cantar
Põe um sorriso na minha cara...
Meu amor, você me dá sorte
Meu amor!Você me dá sorte meu amor!
Você me dá sorte na vida!..."

Lenine sabe das coisas (eu que fujo de qualquer gaiola):

"Se você quer me seguir
Não é seguro
Você não quer me trancar
Num quarto escuro
Às vezes parece até
Que a gente deu um nó
Hoje eu quero sair só...
Você não vai me acertar
À queima-roupa
Vem cá, me deixa fugir
Me beija a boca
Às vezes parece até
Que a gente deu um nó
Hoje eu quero sair só..."

Indicações

Não estou saindo de casa a não ser que seja para trabalhar:

Mas recomendo.

Dona Ivone Lara no Boteco do Seu Zé (RUA MOURATO COELHO 1144 - VILA MADALENA ) dia 19/08

Luiza Possi no dia 29/08 Hsbc Brasil


Beirut no Via Funchal em setembro (já está no site) - em homenagem = Camila Marques, Cauto e Mariana Correia.


Quem souber de algum show em Sampa do Paulinho Moska...please, comunicar.

15 de ago de 2009

Desculpas.

Deveria ter escrito isso no post anterior mas esqueci. Mais relapsa do que nunca.

Por uns dias ficarei sem celular. Ele quebrou e assim permanecerá até que eu mande arrumar ou compre outro.

Quem tiver um velhinho que aceite chip da Claro (sim, eu tenho um desses, caí na cilada) aceito ofertas abaixo de 30 reais. Sim, celular agora para mim será assim.

hauhauaua

27 anos logo mais...é preciso guardar dinheiro para mais Renew.

Vc entende né?

Um passo de cada vez.

Semana mega ultra intensa.

Cheguei a perder o ar em certo momento. Mas ri bastante. Pessoas novas na estrada surgiram. Gente interessante, bem humorada, colorida e principalmente divertida. Adoro trabalhar com o departamento técnico, as coisas facilitam muito.

Treinando muito meu portunhol e assim descobri que talvez não aguentaria ficar mais que uma semana em terra de língua estrangeira. Minha paciência some e dá espaço ao stress.

Amanhã, domingão, trabalho também.


A semana que não tem fim e muito menos começo. Tinha que ser em agosto. Mês do cachorro louco.

10 de ago de 2009

COISAS INCRÍVEIS.

Confesso que tenho assistido pouco tv, tenho dedicado meu tempo ainda mais para as revistas, Youtube e Last.

Sábado foi um dia cansativo na labuta, no transporte coletivo, no shopping lotado por filhos relapsos, fila para carregar bilhete único, fila para comprar bilhete no metrô, fila no carrinho de dog, fila para entrar na loja, fila no caixa eletrônico, fila para pagar o presente, fila na lanchonete, disputa acirrada por uma mesa livre e limpa na praça de alimentação, fila para passar na catraca do metrô, fila para entrar no vagão, fila para entrar na lotação, fila para descer também...e o porteiro ainda quis puxar papo sobre o Timão (desde quando gosto de futebol?).

Não via a hora de chegar em casa, tirar o tênis e abrir os dedinhos dos pés. Encostar o corpo no sofá velho e esquecer por um momento do dia longo.

Eis que cochilei e acordei com uma morena exquisita na tela da televisão dançando e cantando. Era sobre a venda de um ringtone que "canta" seu nome quando toca. Aquela musiquinha entrou na mente por longos minutos. Decidi dormir mais um pouco. Acordei com minha mãe assistindo Zorra Total. Era um capítulo sobre máfia italiana. As piadas não faziam sentido algum e não sei se posso colocar essa responsabilidade em minha preguiça de rir ou se era ruim mesmo.

Passou sábado e chegou o domingo.

Ele encerrou com o quadro Cilada no Fantástico que gosto muito. Era sobre Barzinhos. Adorei. Me vi em cada situação. Desde a comanda em conjunto, amigos dos amigos, música ao vivo irritante, os pagamentos extras, o garçom que nunca te vê e ainda erra o pedido, músicas em releitura, desenhos abstratos que diferenciam banheiros...eu acrescentaria acompanhar alguém no banheiro. Ah, isso para mim sempre foi um tédio desde os tempos de recreio lá na infância. Andar de mãos dadas e acompanhar amiguinhas no banheiro sempre foi broxante. Dividir espelho acho uó.

Sou chata mesmo.

Assumidamente chata e rococó.

2 de ago de 2009

Recomeços.

Meus lemas:

Liberdade requer paciência. Do outro.


Ceder não é contrato. É dividir vontades mesmo que a sua seja a menor que a do outro.


Problema é problema. Minimizar não é justo. Cada um sabe a dor que se tem (já dizia Caetano). Mas não faça da frescura um problema.


Rever conceitos. Dê preferências aos seus. Dos outros, fica pra outro dia.


Esquecer aniversários. Não vejo problema nisso. Contanto que lembre depois, tá tudo certo. Adoraria que todos entendessem mas tá longe dessa sensatez.


É...preciso dormir (são 23:26)...bobagens surgem e eu acredito nelas.