Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

10 de dez de 2009

Conto.

Da série "Minha vidinha démodé"

"Mulher é uma incógnita. Encana geral com coisas que homem nenhum no mundo talvez faça ideia de que bololô foi criar.
E ela ficou bem brava ao saber que ele chama a atual pelo mesmo apelido que a chamava. Pior foi para a Zefinha, que teve que engolir a seco o convite de casamento estampado com a frase que ela tatuou na pele em homenagem até então para o namorado. Lá estavam os dizeres: "Por um segundo mais feliz". Sim, ele sem dó e piedade usou a frase no seu grande dia.

Claudinha teve que ler o scrap "Saudades da sua mordida" e ver que ele mandava para todas as amigas. Clarice não sabia o que fazer para esquecer tal decepção: seu ex escolheu o nome da filha Paula, o mesmo que ambos decidiram quando começaram a namorar e planejar filhos. Sim, ele teve. Não com ela. Mas teve e seguiu a promessa do nome. Clarice deveria ter feito um contrato com requisitos mais específicos. Não o fez.

E Alice que precisou de muitos calmantes para aceitar o convite de madrinha do filho de ex marido. Seria de bom tom negar? Não daria sorte?

Pois é...só quem viver...verá que do outro lado dói a dor do amor, mesmo quando esse já não seja dividido em partes iguais."

2 comentários:

  1. Acho que nem preciso dizer nada, né!?

    ResponderExcluir
  2. Vc e boas parte da patota...é q foram coincidências acontecendo q imaginei: isso dá um texto bão.

    E tem parte de mim aí

    ResponderExcluir