Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

13 de abr de 2009

Sem título.


Ele tem o significado dessa caixa.

Todo um encanto que "é invisível aos olhos e só se pode ver com o coração"


Ainda bem que consigo ver!

Soluções!


A máxima era: a grama do vizinho é mais verde que a minha?

Esse post surgiu de um scrap rabugento que mandei para Marizinha. Mas aqui dá para colocar mais caracteres do que lá.

Antes o problema era (ou eram):

Dividir pacote de bolacha com os outros;
Atender telefone e dizer que mamãe não estava sem revelar a verdade;
Garrafa térmica que vazava suco na lancheira;
Ponta de lápis número 2 redonda;
Apontador “cego”
Lápis de cor vagabundo que não durava;
Coleguinha que misturava todas as cores de massinha de modelar;
figurinhas repetidas;
Tomar banho as 5 am;
Dormir cedo;
Não ter o livro de todas as matérias - versão do professor (com aquelas incríveis respostas vermelhas)
Fingir felicidade ao receber presente repetido;
Fazer xixi antes de ir viajar;
Tomar Dramin;
Não tirar catota do nariz na frente dos outros (e resistir a tentação para não comê-la(s));
Adultos forçando crianças a brincarem umas com as outras;
Usar chinelo na casa dos outros;
Fazer cocô na casa dos outros,
Usar o papel higiênico rosa da escola;
Pentear o cabelo;
Ter bronquite, rinite e problema no joelho direito (até hoje ele faz um barulho como se fosse quebrar)
Não ter feito ballet ao longo da juventude;
Não ter beijado o José Márcio aos 10 anos;
Não poder dormir com meu felino;
Fazer inalação todas as semanas;
Não ter terminado as aulas de teclado;
Ficar com o cheiro de cloro da piscina;
Resistir a não soprar vela dos bolos de aniversários dos primos (Daniel sempre foi mais ligeiro);
Arrumar a cama mesmo sabendo que eu mesma iria dormir ali novamente;
Tirar roupa do varal por conta da chuva;
Escovar os dentes com os dedos;
Espirrar várias vezes na frente de alguém (e ficar na dúvida em o que responder depois do famoso "Saúde")
Ir ao dentista colocar flúor nos dentes;
Ir ao oftalmologista e mentir sobre os desenhos desfocados e dizer que estavam nítidos;
Ir à casa de terceiros e todos esses com cachorros saltitantes;
Dividir minhas canetinhas coloridas com coleguinhas;
Tinta seca dos carimbos;
Não poder raspar a sobrancelha como fiz aos 7 anos;
Não ser amiga da apresentadora Angélica;
Esperar acabar o He-Man só para então poder ver e ouvir os conselhos do Gorpo (poderia começar com ele)
Minha irmã Lilian nunca agüentar brincar de boneca ou jogos por mais de 1 hora;
Não ter a Casa da Barbie e usar de aluguel o castelo de Grayskull do Dan;
Não ter o Ken;
Não ter o cabelo liso;
Convencer a mamãe que não seria feliz na escola em usar aquele ridículo short mega curto com elástico nas coxas (ufa, ela fez um bermudão igual dos meninos)
Pintar o rosto no Dia do Índio, Páscoa...
Não decorar gritos de guerra no ônibus escolar (das excursões);
...

O tempo passou e os problemas são pequenas palavras:

- impostos
- descontos
- ciúmes
- galinhas
- egos
- menstruações
- reuniões
- trânsito
- ligações perdidas
- sem sinal
- sem bateria
- mídia offline
- internet lenta
- e-mails “correntes”
- boletos bancários,
- Telemarketing aos sábados;
- filas
- balada “miada”
- metrô devagar
- ônibus lotado
...

Acho que quando eu tiver 60 anos, eles serão + ou – assim:

- Não ter escrito um livro;
- Não ter telefonado para alguém;
- Ter esquecido aniversário de alguém;
- Não ter feito um poema ou uma canção;
- Não saber costurar ou cozinhar;
- Não ter morado sozinha antes de casar;
- Não ter chifrado alguém;
- Não ter dito” não” quando aquele “sim” foi por impulso;
- Não ter cuidado das rugas aos 26 anos;
- Não ter feito Academia;
- Não ter feito curso de hebraico;
- Não ter freqüentado salões de beleza...

Meu checklist a cada dia cresce mais.

Quem dera ser criança e achar que não tinha liberdade.
Qual a sua lista?

Páscoa.

Era pra ser apenas um dia de visita.
Apenas quinta-feira.
Acabou no domingo.
Dias longe de casa.
Cercada de muitas cores, pessoas, risadas, música, fotos, bebidas e dele.

Nunca houve um início assim. Dias seguidos. Saiu do "mais do mesmo" e do "lugar comum".

E conseguiu sem esforço algum ser diferente todos os dias.

Arrancou risadas e confissões.
Entregou a caixa de bombons na frente dos amigos e lançou a frase que quebrou o romantismo:

"Pra você [pausa - nesse momento esqueci como era bom receber chocolate na Páscoa] - prosseguiu: Mas vc pode abrir e dividir comigo e com eles?"

Rachei o bico. Tem a doçura e o encanto na dose certa. Isso misturado com bom humor, acidez e sangue da Fiel Torcida resulta energia positiva. E olha que sou Lusa.

Obrigada por carregar a sacola plástica furada e tirar o tédio dos meus dias.

Quem sabe um dia vc dá um passeio aqui e leia.

Enquanto isso, nesse momento (5:35 am) penso no próximo SMS pra vc.

Beijos baby!