Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

8 de out de 2009

Florescer.

Essa semana fiz uma bela aquisição...um livro sobre Clara Nunes. Já era apaixonada pelo seu trabalho e a cada página lida, fico mais encantada por ela.

Quisera eu ter um pouquinho de luz que essa mulher teve.

Mas o post de hoje não é sobre ela (preciso terminar o livro para isso acontecer).

É sobre vida.
Daí nasceu mais um conto da série "Minha vidinha demodé".

O título: Das coisas que mais gosto.

Ele é assim: charmoso e bem humorado.
Dentes alinhados, sede do saber, artesão, músico e filho zeloso.
Neto mimado e irmão carinhoso.
O mais atencioso com a mãe e com poucos amigos. 3 mais precisamente.
Gosta de futebol, cartas, videogame, revistas, internet, dirigir, pescar e tocar violão.
Compor ainda não faz parte dessa belezura.
Gosta de MPB e Jazz.
Não suporta funk e axé. Nem pense em chamá-lo para dançar algo do tipo. O tempo fecha e o sol não aparece.
Não sabe dançar mas tem malemolência.
Tem unhas curtas, panturrilhas grossas e barba por fazer. Cabelo desgrenhado, camiseta furada e moletom surrado.
Não sabe cozinhar, não gosta de fumar e adora beber. Prefere cerveja e vodka. Vinho nem pensar.
Não é do fast food mas não é vegetariano ou com hábito de comida saudável.
Malhou só nos tempos do colégio, por conta das aulas de educação física. Depois disso, só corre para pegar o fretado.
Mas Deus é generoso com aquele corpo magro com cor indefinida e uma barriguinha visível.
Adora assistir tv mas não curte cinema. Arrastá-lo para um só se for para ver algum filme do Didi.

Adora gibis da Turma da Mônica e comprar revistinha Coquetel nível fácil.
Tem manias engraçadas como estourar plástico bolha e ficar horas brisando nisso.
Até comprou recentemente pela internet um chaveiro que proporciona a sensação desse plástico (na bagatela de 30 pilas).

Há pouco tempo cantou canções do Chico Buarque enquanto lavava seu carro.
Dono de uma sensibilidade grande e simples como comprar coisas em brechó e dar como belo presente.

Não telefona, não procura...simplesmente aparece. E isso torna seu caráter menos duvidoso e mais sincero. Não exige, não questiona e não perturba. Apenas conversa, explica e sorri.

Acredita que a felicidade precisa estar a qualquer custo acima das outras coisas.

Sua religião é acreditar que em qualquer lugar que você esteja, fazendo o bem, já está sendo abençoado. Não precisa gritar para ser escutado, não pede em nada e nem faz promessas. Apenas agradece diariamente em um Pai Nosso antes de dormir e após acordar.

Procura levar uma vida mais rotineira mas a noite misturada com insônia não permite tais ambições. Vive melhor assim, criando algo sempre depois da meia noite.

Tem plano de saúde mas prefere tomar chá de limão feito pela sua vó. Remédios nem pensar. Além dos famosos chás, em hematomas passa andiroba e para rouquidão vai no mel.

Sabe desenhar e fazer esculturas. Não vive disso. Uma pena.

A última vez que leu um livro foi sobre Chico Buarque. Oh coisa boa...ficou mais sedutor após essa leitura. Pq será?


Caso você o encontre por aí, por favor diga que estou com minha caneca esperando por ele.