Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

24 de mar de 2010

Conte comigo.

Conto da série "Minha vidinha demodé"

Um pouco de muitos.

Quando acordei tive a certeza que estava em tempo de chegar no horário. Mesmo assim tive pressa para tomar banho, tomar o leite gelado e dar água pro gato. Corri mais um pouco para fechar as janelas com medo da chuva que ameaçava chegar e ainda assim tive tempo de deixar recado para mãe.

Corri o dia todo. Queria que o dia acabasse logo e pudesse encostar a cabeça no travesseiro e esquecer um pouco de mim, da vida. Queria não lembrar dos sonhos. Não lembrei. O novo dia amanheceu e foi tudo igual só a roupa mudou e pessoas diferentes no metrô. Do resto, tudo igual. Até o feijão debaixo do arroz não mudou.

Percebi que correr tanto só me fez perder alguns detalhes que ele havia me dito.

Talvez os recados tenham sido demais. Assim como o meu carinho.

Hora de recuar? Jamais. Já fiz isso antes e só perdi. A única coisa que ganhei foi o lamento de não ter feito. Dessa vez, eu me jogo de cabeça...mesmo que a piscina não seja funda e sem bóias para me ajudar. O momento da queda é que dá o prazer. E poder respirar...não tem preço."

23 de mar de 2010

Qual o sabor?

Eu sou de fases. E esses dias, por razões que até eu duvido, tenho escutado Chico César. Gosto da voz dele, mas o admiro muito como compositor.

Recomendo que escute as canções em que faz dueto com mestre Lenine. Uma dupla muito interessante.

Fica aqui meu abraço.

Fui!

22 de mar de 2010

OI

Mais um post da minissérie:

"De repente o ângulo mudou. Aquele sorriso não tenha mais o mesmo sentido de antes, mesmo que a situação seja bem parecida. A espera nunca foi tão longa, mesmo que eu tenha olhado para o relógio 5 minutos atrás e ver o quanto cabe de pensamento nesse tempo. Pensar, talvez seja o que mais tenha feito nos últimos dias. Ainda bem que não cobram impostos sobre isso. Melhor ainda saber que tais pensamentos só serão descobertos se assim quiser que seja. Ainda tenho controle sobre mim. Achei que tinha sobre você. Ledo engano.

Fiz promessas que sabe lá Deus seria capaz de cumprir. Menino! Não é que estou conseguindo sem esforço algum! Bom para mim, bom para nós. Mas se você já reparou esse avanço (sim, para você que lê talvez não veja graça em eu dizer que não te peço mais carona, mas para mim...que passo longo não depender tão mais assim...)porque não muda também?

O amor transforma. Dê uma chance pra que eu veja tudo isso mais de perto. Que meu ângulo agora SEJA melhor. Tanta lágrima bateu na porta do olho sem pedir licença pra sair...

Só encerro assim:

Se eu te faço bem...ou o contrário disso...no meio de tudo...ainda existe alguém que te quer tão bem. Seja aqui, ali."

Dedicado para uma menina que sonha grande e tem a sorte de tê-lo tão perto de nós!

3 de mar de 2010

Saber agradecer!

Algum tempo aquele vazio que um dia incomodava tenha virado algo cheio.
Um pouco de alegria misturada com satisfação, admiração, vontade, prazer e uma dose cavalar de humor foi a cura de uma doença cujos sintomas não passavam.

Quisera eu ter a receita devidamente prescrita e correta para passar para um amigo em fase de chororô ou meio jururu.

Permito explorar atitudes que até então achava medonhas, pequenas, indiferentes e até bregas demais. Na verdade, são peças que em momento certo e local exato, encaixam e transformam o simples em algo belo.

A festa começou. Os convidados estão chegando...

Enquanto isso, os tambores batem dentro de mim, anunciando um tempo que faz tempo que não vinha.

Obrigada amigos.
Obrigada Salzinho
.