Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

17 de abr de 2010

Uma quinta, uma sexta-feira.

"Pra guardar a vida toda".

As conversas mais sem pé e cabeça, uma miscelânea de informações frenéticas,
a TV sempre desligada pois a tomada dá espaço para o aparelho de som,
matérias da Super Interessante e da Rolling Stone desse mês,
um galãozinho de 5 L de cerveja,
lasanha pronta,
alface para 5 pessoas,
chocolates,
incenso de erva doce,
revista Raça,
tintas espalhadas assim como pincel, um ar de ateliê,
faxina antes da novela,
Jô Soares entrevista Tom Zé e aquelas minhocas banais esclarecidas e regadas a cerveja e risadas.
ligações dos amigos que certa hora estão em Floripa e depois no RJ,
A churrasqueira elétrica com medalhões,
Recados soltos e escondidos,
a fumaça do cigarro,
o pavor de baratas,
o corte de cabelo,
o anel laranja (de madeira) refeito.

O gosto da vida está na bebida chamada amor.

Nando Reis soube juntar as palavras assim como a vó separa o feijão:

"Guardei
Sem ter porque
Nem por razão
Ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar

...

Achei
Vendo em você
E explicação
Nenhuma isso requer
...
Pra você guardei o amor
Que aprendi vendo meus pais
O amor que tive e recebi
E hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que arco-íris
Risca ao levitar
...
Pra você guardei o amor
Que sempre quis mostrar
O amor que vive em mim vem visitar
Sorrir, vem colorir solar
Vem esquentar
E permitir"

Esse post é especialmente para aquele rapaz tatuado que sempre está ao meu lado mesmo quando ainda não era o meu namorado
(breguíssima mas de coração tá? Croc)

13 de abr de 2010

o.O.

Usando a liberdade poética para homenagear uma grande pessoa:

"A Carol Z. é uma coisa boa
E tão delicada também
Tem flores e amores
De todas as cores
Tem ninhos de passarinhos
Tudo de bom ela tem
E é por ela ser assim tão delicada
Que eu trato dela sempre muito bem"

By: V. Moraes e T. Jobim

Vale a pena.

Eu sou fã confessa das campanhas da Arezzo. Não tenho nenhum chinelinho sequer no meu casulo...mas...

Eu sou fã mesmo de Mariana Aydar, Roberta Sá e Maria Gadú. E a Arezzo soube escolher seu casting para a nova coleção com essas moçoilas.

Todas cantando "Totalmente demais"...demais mesmo. O clipe é sensacional.

Jabá mesmo. Aqui. Ou ali. O que realmente me importo é divulgar o que vejo, gosto e acredito.

Para quem estiver interessado
: www.arezzo.com.br

e seguindo no quesito "elogio", o mais recente trabalho da tímida mas poderosa Teresa Cristina chamado "Melhor assim". Já tem material disponível no Youtube. Participações memoráveis como Lenine, Caetano, Marisa Monte, Edu Krieger, Adriana Calcanhoto...merecido espaço que a revista Rolling Stone deu à ela esse mês.

Por enquanto é só pessoa. Tchau!!!

8 de abr de 2010

Só para dizer...

Para cada pensamento pessimista...eu planto um feijão no algodão (no famigerado potinho de Danoninho).

Fico feliz que plantei apenas 1 potinho.


Como diria Renato Russo: "Acho até que estou indo bem"...

1 de abr de 2010

Salve Jovelina!

Minha nossa!!! Como eu não havia escutado Jovelina?

Essa semana me dei ao desfrute de ouvir "sorriso aberto" por mais de 30 vezes...e não me canso...

Eu adoro um batuque!

A marcação na parede.

O título é uma referência a uma cena do filme "A culpa é do Fidel" em que o pai de Anna (uma criança que busca explicações sobre o Comunismo) marca a altura dela com um rabisco de lápis na parede.

O tempo passa e Anna percebe o quanto cresceu.

Crescer.

Vejo meu bichano crescendo a cada dia. As brincadeiras estão cada vez mais tímidas, o sono visita o tempo inteiro e ele já não corre mais para brincar com a chave debaixo do tapete. Mas ainda assim continua tão carinhoso como antes.

Crescendo está a barriga da Pati e da Marizinha. Bonito ver as amigas tão felizes. Mais bonito ainda é perceber que quanto mais o tempo passa, mais eu gosto de vocês.

E ao lado dele, meu sentimento cresce ainda mais. Chego a medir uns 3 metros. Como isso é possível? Nem eu sei. O pouco que descobri foi encontrar uma leveza que até então eu desconhecia.

Cresce também a vontade de mudar de profissão. Amo o que faço mais já não me sinto útil. Acho que a validade já era. Mas ainda tenho alguns meses no projeto que gosto muito e admiro tanto o que acontece nos bastidores quanto o que vejo no ar.

Até lá, preciso recolher a vontade junto com a iniciativa, colocar na bolsa e fazer o sinal para o ônibus parar e correr atrás daquela Revista que tanto quero trabalhar.

Mas a vontade ainda está misturada com a timidez, o pessimismo e até um pouco de preguiça.

Quisera eu que a vaga chegasse por uma cegonha ou do céu mesmo.

Enquanto isso...continuo a juntar as moedas para comprar a revista.

- Licia Fabioooooo! Eu amo tanto a Bahia!