Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

19 de mai de 2010

O conto também faz parte da minisérie...

"Esperar não era seu forte.
A espera na fila do banco,
do dentista,
do oftalmologista,
da catraca do transporte público,
do chá esquentar,
do pagamento cair na conta bancária,
do esmalte secar,
do cabelo tingir,
da internet funcionar,
do barulho sumir,
da carona chegar,
da onda diminuir,
da chuva passar,
da atendente atender,
da ideia surgir.


E no fim do dia esperava um carinho que veio tão de mansinho que nem fez a espera acabar"

Nenhum comentário:

Postar um comentário