Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

28 de jul de 2010

Quanto custa a tua saudade?

Estava hoje caminhando na calçada de sempre.

Desviei de alguns transeuntes e quis "apertar o passo" para sair daquele sol.

Eis que tive que diminuir minha pressa e dei de cara com uma cena que me fez pensar boa parte da manhã.

Um senhor e uma senhora estavam deitados na calçada. Não eram moradores de rua (ao meu ver). Deviam estar a espera de algum ônibus.

Ao lado deles 2 grandes malas de viagem e algumas sacolas.

A senhora levantou subitamente (o que me levou a ter que esperar) e chamou o marido.

Ele que estava aparentemente cansado nem conseguiu abrir os olhos direito. Ela simplesmente deu um beijo na testa dele e encaixou a bolsa entre as mãos dele. Pediu para ele cuidar com carinho. Ela tentou fazer uma cabaninha para protegê-lo so sol.

Observei a cena atentamente pois achei bonito o gesto dela. Deixou o "marido" (acho que era) descansar e ela foi na barraquinha de espetinhos comprar provavelmente o café da manhã + almoço deles. E deixou tudo aquilo de valor com ele (as malas, a bolsa e o carinho). E mesmo naquela situação de mazela o amor estava presente a ponto de alguns passos eu também sentir.

Cheguei no trabalho sem reparar nas pessoas que devo ter visto depois da cena. Nem notei quem era o segurança da portaria. Esqueci a hora que bati o meu cartão. Uma amnésia tomou conta de mim por alguns minutos.

Que o sol cuide deles.

2 comentários:

  1. Ui, que lindo!
    Gostei de ter conhecido meu blog, mas gostei muito mais de ter conhecido o teu.
    Aprovei.
    Estarei sempre por aqui.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Bão saber que tu gostastes.

    As pessoas são tímidas e normalmente não comentam (eu faço muito isso e entendo rs).

    Beijo grande! Seja bem-vinda a Guam.

    ResponderExcluir