Sinta-se em casa!

Entre e deixe a porta aberta.
Aguenta firme que vou ali pegar uma breja.

2 de mar de 2012

Um pouquim de cada vez.


Oi!

Faz tempo né?

Desculpa aí. A vida não tá fácil e nem vou chorar as pitangas aqui.

O desemprego me deixa irritada, perdida feito barata tonta.

E a inspiração que antes transbordava, hoje não passa de visita Natalina.

Mas ela veio. Graças a uma pessoa:

Lícia Manzo.

Eu que não gosto de novelas (e não para ser cult não...odeio ver personagens que falam sozinhos e suspiram nos finais das frases) me peguei nesses 2 meses de desemprego vendo a novela dela. E chorando.

As cenas parecem quadros emoldurados. É uma riqueza na escolha dos diálogos.

Hoje no último capítulo o personagem Rodrigo escreveu um texto lindo sobre amor e renovação. Já escrevi sobre isso no blog e me encantei com o texto "dele".

E para não fugir daquilo que tanto acredito e escrevo, o post é sobre amor.

___________________________________________________________________

Ele veio.

Ficou.

Quis partir.

E no meio da dúvida, ele voltou.

Grande. Bonito. E com pinceladas de novidade.

O amor que temos não foi à primeira vista. Era só admiração de ambos os lados.

E acho que a virtude disso foi vê-lo crescer. Das pequeninas lembranças nas viagens, de escutar uma música, de ler algo e querer compartilhar algo. Pronto! Amor instalado.

Ele que antes quisera ser livre, hoje ainda é.

Mas o amor tem lá suas chatices. Seja a mãe pedindo para o filho levar a blusa e o guarda-chuva, a namorada não querendo desligar o telefone, sendo a esposa preocupada com a chegada do trabalho. Chatices do amor. Mas quem tem cuida. Esse é o ditado né?

Falo aqui do meu amor. Daquilo que sinto. E não do que eu acho em comum acordo.

E nesse amor que foi crescendo lentamente eu descobri uma Carolina velha. Dessas bem caduquinhas. E gosto desse novo estado de espírito. Me deu responsabilidade de enxergar o outro como algo valioso. Igual o amor de vó pelos netos.

É um amor que não bate, que não dá bronca. Só quer proteger.

Não sei se isso é bom. Não sei mesmo. E procuro de alguma forma não tentar achar grandes explicações, pois ei de criar regras que não funcionam.

Amanhã completo 2 anos e 2 meses de amor.

Bigó amado. Bigó querido. Bigó ranzinza. Bigó anti- BBB e coisas de TV.

Casou com uma radialista.

Casou com uma morena.

Sou fora dos seus padrões pré-estabelecidos :) *)

Casou casando. Do chinelinho esquecido intencionalmente. A vinda da tão famigerada escova de dente.

Assim foi. Assim é. E assim espero que seja pelo tempo que tenho em terra.